Uso de energias sustentáveis

Publicado em 10/01/2019 por Fernanda Tasca

De acordo com o Balanço Energético Nacional – BEN (2017), as residências são responsáveis por 9,7% do uso de energia elétrica no país, desses, 64% são de fontes de energia renováveis. 


Apenas 43,5% da energia gerada no país provém de fontes renováveis, sendo 17,5% derivadas da biomassa da cana, 12,6% de hidrelétrica, 8% de lenha e carvão vegetal, 5,4% lixívia e outras renováveis. 


Segundo a Empresa de Pesquisa Energética – EPE (2017), o consumo médio residencial no estado de Santa Catarina foi de 201,7 kWh/mês.


As principais fontes de energia renovável na arquitetura são a solar, a eólica e a geotérmica, sendo que a energia solar ultrapassa as necessidades do consumo humano. Portanto, a energia gerada pelo sol, segundo o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica – CEPEL (2018), é uma das opções mais promissoras.


Há duas maneiras de se utilizar a energia solar nas residências, a primeira é pelo aquecimento de água e a segunda se dá pela geração de energia elétrica, que no mercado mundial se destacam o uso das placas fotovoltaicas.

Aquecimento Solar

A utilização de energia solar para o aquecimento de água reduz 44% no consumo de energia, diminuindo 61% da conta de energia elétrica. 


O sistema de aquecimento de água é ilustrado pela figura abaixo. Nesse sistema as placas coletoras são responsáveis pela absorção da radiação solar. O calor do sol, captado pelas placas do aquecedor solar, é transferido para a água que circula no interior de suas tubulações de cobre. O reservatório térmico, também conhecido por Boiler, é um recipiente para armazenamento da água aquecida.


   


A água aquecida se distribuirá pela residência, propiciando, além da redução na conta de energia uma valorização na propriedade.

Placas Fotovoltaicas

Esse sistema de gerar energia limpa e renovável possibilita valorizar a sua propriedade além de gerar a sua própria energia elétrica e praticamente acabar com a sua conta de luz!


No mercado existem diversos modelos de painéis solares, cujas potencias podem variar de 10 a 330Wp e eficiências variam de 14 a 20%. Por exemplo, um conjunto de 90 painéis solares fotovoltaicos com potência de 270Wp e 16,47% de eficiência, gera 2515 kWh/mês no Sul do Brasil.


Para uma residência, o custo de instalação de um sistema solar conectado à rede pública, sai por, no mínimo, R$ 10.000 em Santa Catarina.


A energia solar é produzida por painéis fotovoltaicos, que ficam instalados sobre o telhado da residência, conectados ao Inversor Solar. O inversor converte a energia solar em energia elétrica, que sai do inversor e vai para o “quadro de luz’’, onde é distribuída na residência.


 


O excesso de eletricidade volta para a rede elétrica através do relógio de luz (relógio de luz bi-direcional). Esse relógio de luz mede a energia da rua que é consumida quando não tem sol e, a energia solar gerada em excesso quando tem muito sol e é injetada na rede da distribuidora. 


A energia solar que vai para a rede vira "créditos de energias" para serem utilizados de noite ou nos próximos meses. Em outras palavras: você produz energia limpa com a luz do sol e reduz a sua conta de luz!!