O que é o FGTS e como utilizá-lo para aquisição de imóvel

Publicado em 10/12/2019 por Daniella Bertoli

 FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), tem como principal objetivo proteger o trabalhador formal. Ele pode ser utilizado em situações como demissão sem justa causa, em caso de doenças graves e até catástrofes naturais. 

Na prática não há a possibilidade de resgatar do saldo do FGTS quando se deseja, mas o mesmo pode ser utilizado para compor parte de financiamento imobiliário ou abater prestações do mesmo.


Para compor parte do financiamento, o mesmo será avaliado durante o processo de análise de crédito junto a instituição financeira. E como pode-se utilizar o FGTS depois da compra do imóvel?


Ele poderá ser utilizado de 3 maneiras:


1) Diminuir o valor das próximas 12 prestações: onde é possível reduzir em até 80% o valor das prestações em até 12 meses consecutivos e esse procedimento pode ser feito anualmente. Com esta ação o proprietário do imóvel terá um respiro durante 12 meses ou poderá aplicar o saldo que pagaria da parcela em algum fundo de investimento que tenha maior rentabilidade.

2) Amortizar o saldo devedor, diminuindo o valor das parcelas: é uma boa estratégia para quem tem expectativa de ter a renda menor como o passar do tempo, ou mesmo maiores gastos. A desvantagem deste processo, é a de que sem diminuir o prazo do financiamento, continuam as cobranças de seguro e custo administrativo.

3) Diminuir parcelas a pagar, mantendo o valor das mesmas: neste processo ocorre a redução do número de parcelas na totalidade. A vantagem é que a amortização é liquida, onde se abaterá valores sem a incidência de juros ou de seguros e custo administrativo. Esse geralmente é a melhor opção e também a mais adequada para quem tem perspectiva de conseguir pagar o valor cheio das parcelas.

Nos casos 2 e 3, a utilização do FGTS pode ser feita no mínimo a cada 2 anos.


Não é possível definir qual a melhor aplicação do FGTS, tudo vai depender do momento e das particularidade de quem tem um bem financiado, lembrando que o FGTS é uma poupança para casos de demissão sem justa causa. Uma vez utilizado este recurso, não será possível resgatar o mesmo se tiver sido utilizado na totalidade.